Os 10 anticoncepcionais que mais causam trombose

As pílulas anticoncepcionais são um dos métodos contraceptivos mais utilizados. Na atualidade entretanto, existem outras possibilidades e com maior eficácia de se evitar uma gestação, no entanto, devido ao baixo custo, muitas mulheres acabam optando pelos comprimidos.

No entanto, assim como todos métodos contraceptivos, as pílulas também podem falhar, mas segundo especialistas o risco é baixo, desde que utilizada corretamente.

Infelizmente, assim como grande a maioria dos medicamentos, não é descartada a possibilidade de reações e por isso é indispensável o acompanhamento de um especialista.

Quando falamos de reações desses comprimidos, temos os mais diversos relatos como cólicas, dores de cabeça, náuseas, insônia, dentre outros, mas o que tem sido muito debitado entre os especialistas é o risco de trombose, isso porque já foi comprovado que os anticoncepcionais desequilibram todo o sistema circulatório da mulher, o que por consequência leva a uma coagulação que logo se transforma em trombose.

Alguns médicos defendem a tese de que ainda não há um estudo que possa comprovar que esse método tenha tamanho risco, outros por sua vez dizem que a cada dez mil mulheres, a trombose é real em duas ou três mil, e para quem toma o anticoncepcional, o caso aumenta de cinco a nove.

Ainda segundo especialistas, nem todos os anticoncepcionais podem ocasionar a trombose e que a chance do desenvolvimento da mesma, pelo uso do comprimido é baixo.

Confira a seguir a lista dos 10 anticoncepcionais que são mais associados a trombose:

1_ Selene
2_ Diane
3_ Allestra
4_ Belara
5_ Ciclo 21
6_ Level
7_ Stezza
8_ Mercilon
9_ Microvilar
10_ Siblima

É importante ressaltar que o artigo tem como objetivo trazer apenas informações e que somente um especialista pode dizer se você deve ou não fazer o uso do medicamento e os riscos. Caso faça o uso de alguma das pílulas acima não interrompa, procure um ginecologista de confiança e esclareça suas dúvidas, assim poderão encontrar um medicamento que seja eficaz e que não ofereça riscos a saúde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *